25 de novembro de 2015

Seguem novas dicas de compras para o verão 16 para aproveitar as promoções do Black Friday!



O Black Friday é super aguardado nos EUA e há alguns anos tem ganhado destaque no mercado brasileiro,  mesmo que não faça nenhum sentido, afinal nem temos ThanksGiving por aqui ... Mas, a verdade é que as empresas têm investido cada vez mais nesta promoção e tanto as lojas como os sites estão bombando de ofertas por aí. Nós consumidores agradecemos, mesmo!! rsrs...

Segundo levantamento feito pelo ClearSale, empresa especializada em soluções antifraude no Brasil, as vendas em 2014 no Black Friday passaram de R$ 871 milhões, com um aumento de 48% em relação a 2013 (fonte site BlackFriday). 

Acredito que, como este ano o burburinho em torno do Black Friday está muito maior que no ano passado, as vendas devem crescer muito nesta edição e talvez até superar R$ 1 bi.. vamos ver!

Para dar algumas dicas legais de compra, separei algumas peças que estão dentro das tendências previstas para a estação e que estão à venda em sites que participarão do Black Friday. Atenção: o preço listado aqui é o que está valendo hoje (25/11/15) e pode mudar rapidamente. Mas a fica a dica para as peças :)

Vamos lá! É sempre legal falar de tendências de estamparias. Para o verão 16 as apostas em estampas inspiradas na Natureza aparecem de uma forma diferente, em desenhos de detalhes aproximados, como se fossem um zoom em algum detalhe, como o vestido da Cantão na foto abaixo, onde flores e folhagem aparecem com grande destaque. Os elementos do fundo do mar também servem como inspiração, como no vestido da Marialicia com conchinhas por todo o vestido. O geométrico PB é uma das grandes tendências para o verão 16 e o da blusa da Maria Filó é perfeito para arrasar na estação.



Todas as fotos e preços coletados no site da Dafiti :

Vestido Cantão por R$ 271

Vestido Marialicia por R$ 73

Blusa Maria Filó por R$ 229

Para os homens, a moda sempre vem de uma forma mais básica, como esta camisa da Zapalla com um geométrico PB bem discreto, ou a camisa da Levi's com bolas grandes estampadas, mas num degradê de cor bem elegante. A camisa da Auslander traz uma tendência que tem se confirmado em todas as estações: a mistura de tecidos para criar texturas interessantes. Todas as fotos e preços coletados no Submarino:


Camisa Zapalla por R$ 233

Camisa Levi's por R$ 159

Camisa Ausländer por R$ 129


Para quem curte malhar dentro da moda, separei algumas opções no site da NetShoes. Dentro da tendência do geométrico, lindo top da Nike e para quem curte algo mais leve, as bolinhas do petit pois continuam em alta. Aqui num verde divertido e fun da Reebok. E a natureza linda do Rio servindo de background na estampa que a Salinas desenvolveu em parceria com a Adidas, nesta linda jaqueta:

Legging Reebok por R$ 63

Top Nike por R$ 59

Casaco Adidas Salinas por R$ 249


Para os homens, peguei opções no site da DafitiSports. A bermuda da Adidas em colorblocking de tons de vermelho, cor queridinha para o verão 16, é perfeita para o homem que quer malhar com estilo. A camiseta da DCShoes com número grande estampado está super in da tendência esportiva de destacar número para dar um ar mais atlético às ruas. E a blusa com listrado colorido da Billabong é perfeita para corridas no friozinho da manhã.


Bermuda Adidas por R$ 89

Blusa Billabong por R$ 82

Camiseta DC Shoes por R$ 83


E como é impossível falar de verão sem falar de praia (e também porque acabei ficando super encantado pelo mundo da moda praia) seguem algumas dicas de compra que peguei do OQVestir: olha que incrível este maiô da Memo com recortes geométricos, mistura de tecidos e um ar retrô super elegante. Mais na moda, impossível! O biquini da Brigitte com detalhes manuais que dão um visual super sofisticado à peca, uma atenção aos detalhes que sempre arrasa na praia. E o biquini da Salsa que traz uma mistura de geométrico com animal print, sucesso certo!


Body maiô da MEMO por R$ 159

Biquini Brigitte por R$ 201

Biquini Salsa por R$ 188


E para os homens, selecionei algumas sungas legais lá no site da Dafiti. A da BlueMan superinspirada nos elementos do fundo mar, a da Movimento, ressaltando detalhes da Natureza e o listrado gracinha da sunga da Redley. Para quem curte comprar várias sungas, reservei uma dica especial: o site Sunga é da Montereis, empresa especializada em sungas, e vende vários modelos com estampas incríveis, todos pelo mesmo preço: R$ 85 cada. Vale a pena visitar e sair comprando para ficar na moda neste verão. Fotos e preços coletados no site da Dafiti e Sunga.




sunga Movimento por R$ 110

sunga BlueMan por R$ 145

sunga Redley por R$ 83

Sungas Montereis 1, R$ 85

Sungas Montereis 2, R$ 85

Sunga Montereis 3, R$ 85


Agora é só sair pelos sites navegando e comprando. Atenção para cupons especiais, descontos em compra, pois a economia pode ser ainda maior. Vale a pena pesquisar com calma. E comprar, com toda a felicidade do mundo!

23 de novembro de 2015

Apesar da crise, o comércio eletrônico continua crescendo e deve atingir quase 19 bi em 2015 no Brasil

Achei uma pesquisa super interessante da consultoria L2 da escola Stern da NYU sobre comércio eletrônico e peguei algumas informações bem legais de lá.

Eles mostraram que o mercado americano já tem 11,5% da venda do varejo feitas online e que, nos últimos 5 anos, a participação das vendas online para varejistas de moda e calçados aumentou 41%, número que demonstra a força e importância do comércio eletrônico no maior mercado do mundo:


Crescimento no varejo online e físico, fonte: L2/ Euromonitor
De lá vi algumas informações sobre a integração dos canais de venda físico e online e, por esta análise, eles mostram que há muito ainda a ser desenvolvido. Eles separam as lojas em departamento (que seriam lojas como a C&A), varejo especializado (lojas de marcas de roupa, por exemplo) e grandes varejistas (tipo Target, Walmart) e para cada tipo analisaram qual o % de lojas que disponibilizam algumas funcionalidades de integração entre os lojas físicas e digital.

No gráfico abaixo, vemos que a possibilidade de Comprar online e devolver na loja é oferecido pela maioria dos varejistas: cerca de 65% no grande varejo e quase 90% no varejo especializado. A possibilidade de verificar o estoque das lojas físicas próximas ao consumidor para que ele possa comprar online ou na loja física é oferecida por cerca de 50% do grande varejo e 38% das lojas especializadas. E a funcionalidade de comprar online e pegar na loja é oferecida por cerca de 60% do grande varejo e apenas 18% do varejo especializado. Isto talvez ocorra por falta de tecnologia de integração entre a rede das lojas especializadas.


Funcionalidades de integração de canais de venda, fonte: L2

Analisando algumas lojas online com canais no Facebook, perceberam que 69% das lojas possuíam o botão compre agora, ligando a página na rede social ao canal de vendas mas que apenas 1% tinham um botão que incentivavam o consumidor a entrar em contato com a empresa (talvez pelo fato do consumidor conseguir interagir na própria página da empresa).


Funções de ativação na página do Facebook das empresas, fonte: L2
Uma outra informação legal que eles disponibilizaram é sobre algumas empresas e a relação entre tráfego do site pago x orgânico (que vem naturalmente pela pesquisa do usuário). Nele vimos que uma empresa como a Nine West tem 0% de visitas pagas mas tem 6,8 milhões de visitas enquanto a Cartier tem 96% de visitas pagas (por anúncios no Google, Facebook, etc.) mas consegue 85 milhões de visualizações. Dos exemplos, a campeã é a Victoria's Secret que tem 137 milhões de visualizações e um equilíbrio de 22% pago e 78% orgânico. 


Pensando nestas informações, pesquisei um pouco sobre o comércio eletrônico no Brasil e descobri algumas informações: de acordo com estimativas do E-Marketer, o Brasil deve ter uma representação de 7,3% do comércio eletrônico em relação ao varejo total em 2015, chegando a U$ 18,8 bi no ano (neste montante não se considera venda para eventos e viagens, somente produtos e serviços). Este número coloca o Brasil no décimo lugar no comércio eletrônico mundial em volume financeiro e é o único país da América Latina no top 10.

E olha que legal: segundo dados da E-Bit, o maior mercado online é de roupas e calçados, com 18% do mercado, seguido por cosméticos e beleza com 16%, eletrônicos e eletrodomésticos 11%, livros e revistas 8%. Interessante, né?!

Já em relação às funcionalidades de integração entre os canais online e físico no Brasil não encontrei nenhum estudo, infelizmente. Mas, como experiência de consumidor, percebo que a única funcionalidade que é mais popular por aqui é a de comprar online e retirar na loja. A de devolver na loja física, mais popular nos EUA segundo o estudo da L2, não é muito popular por aqui. Pelo menos é o que eu percebo.. E você? Percebe algo diferente?  Algum outro tipo de funcionalidade crescendo por aqui? Escreva nos comentários da página!





15 de outubro de 2015

Verão 16 nas lojas - Dicas de compras

Que calor!!! Cada vez mais parece que o verão já chegou mas, para quem ama a estação, as compras e os planos definitivamente já começaram...Por isto, resolvi colocar aqui no blog algumas tendências que tinha pesquisado para a estação e que se confirmaram com força nas coleções lançadas recentemente nas lojas.

Este é o primeiro post que faço deste tipo e começo, logicamente, com uma das padronagens de estamparia mais quentes para a estação: o grafismo.  Caracterizado por uma mistura de desenho abstrato com colagens de imagens que formam padronagens gráficas.

Este tipo de estamparia vai e volta das estações e é geralmente mais comum no Inverno. Mas neste Verão ela apareceu como uma das queridinhas dos criadores e se confirmou nas coleções lançadas pelas principais marcas brasileiras. Assim, vamos ver este tipo de desenho nas praias, nas academias e nas ruas. Elas podem aparecer na versão PB mais clássica e discreta mas também podem ser bem coloridas e super alegres.

Abaixo, listo algumas opções de modelos bem legais para meninas e meninos que já quiserem se preparar o verão! Pensando em prestar um serviço completo, já coloquei o preço e o link de venda online destas peças. Assim fica mais difícil resistir ... Haha ;)


Legging incrível da Adidas por R$ 139 - Clique para ver no site

Jaquetinha masculina da Adidas Originals por R$ 229 - Clique para ver no site


Top por R$ 89 e matching legging por R$ 139 da MEMO - Clique para ver no site

Camisa masculina matadora da SENPLO por R$ 289 - Clique para ver no site



Regata cropped estampada da YouCom por R$ 79 - Clique para ver na loja

Pra quem quer investir numa jaquetinha linda, tem esta da YMC no Asos.com por U$ 165 - Clique para ver na loja




Pra quem quer arrasar com o novo look na praia, tem este biquini da Salinas por R$ 139 o top + R$ 109 o bottom - Clique para ver na loja

E para os meninos também existem diversas opções em moda praia - esta aqui da Rangiroa por R$ 118 - Clique aqui para ver a loja


Lindo vestido colorido da Colcci por R$ 175 - Clique para ver no site

Suéter levinho da UMA por R$ 370 - Clique para ver na loja



Camisa masculina UMA por R$ 290 - Clique para ver na loja

Calça feminina CALVIN KLEIN JEANS por R$ 429 - Clique para ver na loja


Viu como existem diversas opções super incríveis nas lojas?!  Tem muito mais por aí para quem quer se jogar nesta estamparia. Mas aconselho cautela: como é  uma estampa bem marcante, o bom é ter apenas poucas peças especiais no guarda-roupa para não ser cansativo nem para você e nem para os outros :)


31 de março de 2015

Miu Miu investe em novas formas de divulgação

A alta costura sempre rende ao mundo da moda mais do que inspiração de roupas e estilo. Ela também apresenta novas tendências nos meios e canais de comunicação. Já mostrei alguns exemplos aqui no Moda 2.0, quando falei dos desfiles ultra modernos da Burberry, dos luxuosos desfiles da Dior e do flerte da Prada com o cinema.

E é justamente de cinema que venho comentar agora neste post. Na verdade, parece ser uma continuação do trabalho da Prada, só que com a sua marca mais cool, a Miu Miu. A marca lançou uma campanha chamada Women's Tales onde produz uma série de vídeos sobre o universo feminino pela visão de diretoras de todo o mundo. O primeiro vídeo teve um público perto dos 10 mil e os atuais estão conseguindo um público próximo dos 2 milhões de visualizações, prova do sucesso deste projeto.

O legal é que os figurinos são todos com a coleção atual da Miu Miu e percebemos que é uma forma muito interessante de mostrar o produto. O bom gosto e a qualidade da direção são impecáveis e dá todo um clima incrível aos produtos também incríveis da Miu Miu. Um show de bom gosto!

O primeiro filme é o The Powder Room, uma visão bem interessante do momento pré, onde as mulheres se arrumam para qualquer evento. Um filme bem conceitual, mas interessante:



Agora o que mais chamou a minha atenção foi o oitavo filme. Isso porque ele está ligado a um projeto muito legal: o SOMEBODY. De autoria da Miranda July, uma atriz, diretora, artista multimídia que fez alguns filmes super cool, como o "Eu, Você e Todos Nós" e que, na minha opinião, sempre tenta passar uma imagem interessante, uma visão bem particular do mundo contemporâneo.

Tela de abertura do site


Da parceria dela com a Miu Miu para fazer o filme, surgiu o projeto SOMEBODY que é um APP de relacionamento onde você usa pessoas estranhas para passar mensagens que você não pode passar, por estar longe, ou porque não tem coragem de fazer pessoalmente. Ou simplesmente porque não quer.

A lógica do APP é bem simples: você se cadastra e a pessoa para a qual deseja passar a mensagem também deve estar cadastrada. Aí você seleciona a pessoa para quem quer passar a mensagem e o APP mostra as pessoas que estão mais perto dela. Você vê os perfis e as notas que os outros usuários deram para a pessoa (avaliando a forma como ela entregou a mensagem) e escolhe alguém para repassar a mensagem. O ideal é que a pessoa tente passar a mensagem com emoção. Uma mistura muito maluca de virtual e real, humano e máquina, tudo junto, misturado de uma forma estranha, mas real. Uma percepção de como pode ser nossa vida num futuro próximo.

O vídeo que ela fez para o Women's Tales da Miu Miu é incrível e mostra como seria o funcionamento ideal do APP.

É ainda um projeto conceitual e que, para dar certo, precisa de um grande número de usuários cadastrados. A aposta do aplicativo é que todos se cadastrem por meio de divulgação entre seus amigos e na criação de hot spots virtuais, alavancando o uso do aplicativo. Até o próprio aplicativo está sendo remodulado pois tiveram alguns problemas na versão teste do programa. De qualquer forma é uma ideia e um conceito interessante e pode ser interessante se pegar. É esperar para ver.

De qualquer forma, vale muito a pena assistir ao vídeo. Ele é fofo e engraçado ao mesmo tempo. Infelizmente não achei uma versão legendada em português:






5 de março de 2015

Performances que emocionam

Neste meio período sabático que tirei aqui do blog, passei por assuntos que achei interessante e que gostaria de ter escrito sobre eles. Com o tempo, a vontade de falar de quase todos eles foi passando, mas tem dois assuntos que realmente curti. Nenhum deles é novidade e, na verdade, só gostaria de registrá-los aqui no blog.

Para a minha surpresa, o primeiro deles fala sobre Marina Abramovic e ela terá uma exposição no fim do mês em São Paulo. Então, nem é tão random assim :)

O primeiro é um vídeo que ficou super famoso na internet (já tem quase 10 milhões de visualizações) mas que eu não conhecia e fiquei super emocionado quando soube da história. É sobre a artista Marina Abramovic. O MoMa fez uma retrospectiva de sua carreira, com todas as suas obras em 2010 e, ao final da exposição, tinha uma performance chamada "A artista está presente" onde ela ficava por horas no museu, sentada quieta e uma pessoa por vez sentava à sua frente por alguns segundos.

Esta obra, na verdade, é uma releitura de uma performance que ela fez no início de sua carreira, com o artista plástico Ulay. Com ele, Marina viveu por 12 anos seguidos, num misto de carreira, amor e loucura. Eles viviam como nômades, dentro de um carro por 5 anos e depois mudando de cidade em cidade. Enquanto isto, faziam performances bem interessantes e que ficaram super conhecidas no mundo da arte.

A performance "A artista está presente" é uma releitura de uma performance que eles fizeram no final dos anos 70, onde um ficava em frente ao outro, em silêncio, sem se mexer, sem falar, sem comer. Jejuando mesmo. Fizeram isto por 90 dias não consecutivos.

Outra obra super interessante que eles fizeram foi a Grande Caminhada, onde cada um começou a andar em um lado da Muralha da China e se encontraram no meio do caminho. Os dois, percorrendo uma distância enorme ao encontro do outro. Era para ser uma performance super romântica, com uma mensagem super positiva mas o processo de aprovação com o governo chinês demorou 8 anos e só foi liberado em 1988. Durante todo este tempo, a relação dos dois foi se desgastando e, pouco antes de iniciar a performance do muro da China, eles começaram a dormir com outras pessoas, indicando o fim do relacionamento.

Ao chegar no meio do caminho (cada um percorreu a pé 2.500km, andando por quase 90 dias) Ulay conta a Marina que a intérprete chinesa que eles contrataram para executar a performance estava grávida dele e não sabe o que fazer. Ela resolve, então, que o encontro no meio do caminho é, na verdade, uma despedida. Eles combinam de nunca mais se verem, e seguirem suas vidas separadamente. E foi realmente o que aconteceu. O ano era 1988.

Eles só se reencontraram no dia da abertura da exposição do MoMa em 2010 (22 anos depois). O vídeo que ficou famoso é o que mostra quando ele aparece de surpresa e senta na frente dela, durante a performance. É um momento lindo! Dá para ver bem a expressão de surpresa dela e de amor na cara deles. Veja (ou reveja, vale a pena!):




Eu achava que ela não o tinha visto nunca mais mas, na verdade, eles se viram na manhã do dia de abertura, antes da performance começar. Mas ela não sabia que ele iria aparecer na performance, o que explica a parte de surpresa. E a emoção de ambos é mais que compreensível, afinal, foi naquele dia que eles se reviram depois de tanto tempo. E a história deles é bem bonita e particular. Encontrei este vídeo que conta em detalhe toda esta história de amor. O vídeo é um pouquinho longo (são cerca de 25 minutos) mas vale muito a pena ver pois conta sobre a relação deles e mostra os principais trabalhos que realizaram juntos, todos bem legais.



Que bom saber que a vida também pode ser feita de romance e amor, daqueles que só imaginamos em livros! Amei conhecer esta história :)

Agora o segundo ponto que eu queria colocar aqui no blog é sobre a Sia. Quando ouvi a música Chandelier, achei que fosse mais uma música pop bobinha que fica na cabeça. Mas, prestando atenção à letra, percebi que ela não tem nada de bobinha. Coloquei parte da letra aqui:

" (...) Sun is up, I'm a mess
Gotta get out now, gotta run from this
Here comes the shame, here comes the shame

1, 2, 3 1, 2, 3 drink
 I'm gonna swing from the chandelier, from the chandelier
I'm gonna live like tomorrow doesn't exist
I'm gonna fly like a bird through the night
Feel my tears as they dry

And I'm holding on for dear life
Won't look down, won't open my eyes
Keep my glass full until morning light
'Cause I'm just holding on for tonight (...)"

Mas o que me deixou passado mesmo foi quando eu vi o clipe. Ele é simplesmente incrível! Há muito tempo eu não via um vídeo com uma linguagem artística tão forte:



É emocionante ver a dança tão bem explorada como forma de arte. Eu fiquei realmente tocado assistindo ao clipe. A coreografia é perfeita e a dançarina é mais que perfeita. E o que é mais surpreendente de tudo: ela tem 12 anos. Isso mesmo, 12 anos!

Ela se chama Maddie Ziegler e começou a dançar aos 2 anos (tipo, oi?!!!). Foi descoberta em um reality show bem trash, chamado Dancing Moms, e tem uma expressão corporal de deixar qualquer um passado! Tanto que a Sia apostou novamente nela para o clipe de Elastic Heart:



Tanto a música como o clipe são novamente fora de série! Desta vez ela contracena com o Shia LaBoeuf que é super lindo e está absolutamente tudo no clip. De tão forte que é a interpretação dos dois, o vídeo até incomoda um pouco.

Vale a pena prestar atenção na letra para entender a lógica da coreografia (que é novamente perfeita). Coloquei uma parte da letra aqui no post:

"And another one bites the dust
Oh why can I not conquer love?
And I might have thought that we were one
Wanted to fight this war without weapons

And I wanted it, I wanted it bad
But there were so many red flags
Now another one bites the dust
Yeah, let's be clear, I'll trust no one

You did not break me
I'm still fighting for peace

Well, I've got thick skin and an elastic heart,
But your blade—it might be too sharp
I'm like a rubber band until you pull too hard,
I may snap and I move fast
But you won't see me fall apart
'Cause I've got an elastic heart (...)"

Engraçado que, de uma forma, os dois assuntos têm a ver com performance artística. Acho que quando são bem feitas, conceituadas, elas se tornam realmente bem especiais :)


2 de março de 2015

O esforço da GAP em limpar o seu rastro no mercado

Como qualquer pessoa que foi adolescente nos anos 90, eu sempre conheci e curti a GAP mas acho que ela foi perdendo a mão desde que grandes redes de fast fashion como UNIQLO e ZARA ganharam o mundo, conquistando o mercado com um produto mais interessante e globalizado.

Mas devo confessar que sempre passo nas lojas quando viajo. Isto porque encontro peças interessantes a preços ótimos em peças básicas com um toque mais cool e fashion (super amo a coleção LIVEDIN ;) ).

Mas resolvi escrever sobre a GAP pois descobri uma coisa muito interessante sobre a empresa. Desde 2007 eles vêm investindo em projetos que visam melhorar a vida das pessoas que trabalham nas fábricas que produzem as suas roupas. O projeto principal deles se chama PACE e é focado na mulher destes países que, muitas vezes, são culturalmente discriminadas e estão em uma realidade onde encontrar uma vida melhor parece um sonho distante.

Participantes do programa P.A.C.E


O PACE (Personal Advance & Career Enhancement - avanço pessoal e melhoria na carreira) oferece às mulheres que trabalham nas fábricas de roupas fornecedoras da GAP módulos de treinamento que as ajudam a entender melhor o seu potencial como mulher e como trabalhadora, aprendendo como se comunicar melhor, planejar sua vida, sua carreira e seu dinheiro. Ao todo são 9 módulos de treinamento: Comunicação, Resolução de Problemas e Conflitos, Educação Financeira, Educação Funcional, Gerenciamento do Tempo, Excelência em Execução, Direitos Trabalhistas, Saúde e Reprodução e Papéis dos Gêneros no dia a dia.

Parecem assuntos simples mas vale lembrar que estes treinamentos são oferecidos às mulheres que moram na Índia, Cambodja, China, Indonesia e Sri Lanka (países "Made In" da maioria das roupas do fast fashion), lugares onde a maioria das mulheres tem acesso super restrito à educação e, devido à pressão social, não sabem se posicionar e se valorizar como ser humano na sociedade. O vídeo abaixo conta como o programa impacta a rotina de uma mulher participante do programa:



O ICRW (International Center for Research on Women) estudou o impacto do programa nestes países e relatou melhoria significativa na auto-estima, eficiência pessoal e no trabalho e influência no trabalho em todos os países onde o PACE foi realizado. Coisas simples como aprender a guardar dinheiro para morar em uma casa melhor, comunicar as suas dificuldades e dúvidas para a empresa onde trabalha e até pedir ao marido para dividir as tarefas de casa são ganhos relatados pelas participantes do programa que, com as informações que tiveram no treinamento, ganharam a segurança para realizar estas mudanças em sua vida. Ao todo, mais de 25 mil mulheres já participaram do programa. E o número tende a aumentar.



Além disto, no final do ano passado a GAP lançou um novo programa chamado TAU com o objetivo de proporcionar uma cadeia de suprimentos de roupas mais sustentável. A ideia é investir em empresas que possam crescer de forma sustentável e produzir com preços atrativos, respeitando o meio-ambiente e as pessoas. O projeto ainda está no início mas pode realmente ser um sucesso, se conseguir equalizar o investimento no crescimento de empresas sérias no setor com o tratamento de questões socio ambientais que precisam, urgentemente, ser tratadas nos países onde estas empresas estão inseridas. O diagrama abaixo apresenta a filosofia desta nova empreitada da GAP:

Como a própria filosofia da TAU destaca, é uma mudança inevitável e muitos críticos podem dizer que a GAP "não está fazendo mais do que a própria obrigação" e, uns mais ácidos ainda, dirão que "eles estão fazendo Marketing em cima de ações que são obrigatórias para resolver os problemas necessários para manter a sua cadeia de suprimentos de baixo custo e evitarem partir para uma solução de fornecimento mais custosa do que a que têm hoje" mas prefiro enxergar como uma ação proativa da empresa que traz para hoje um problema futuro e, com isto, espera construir um futuro melhor onde estes pontos terão um melhor tratamento.

Além disto, estes problemas que a GAP está tratando com estes projetos são comuns a todas as redes de grande varejo em todo o mundo (basta olhar o MADE IN das roupas e ver o impacto que estes países têm na nossa vida) e achei bem interessante ver que a GAP já está tratando destas questões. É importante que o primeiro passo seja dado por um líder de mercado como eles. E é um sinal de que eles estão mais preparados do que eu esperava para ser o líder do varejo de roupas.

Mudanças na cadeia produtiva têxtil são realmente inevitáveis e projetos como este deverão surgir em todo o mundo num futuro próximo. Resta saber quem será que vai iniciar estes passos no Brasil? Será que teremos que esperar a GAP agir por aqui também? Espero que não!






25 de fevereiro de 2015

TBT: Estudando em NY no verão. Curso de férias é tudo!

Uma querida amiga me disse que seria interessante falar aqui no blog sobre a experiência que tive em 2013 de fazer um curso de um mês em NY pois poderia ajudar outras pessoas que trabalham com moda, então curti a ideia e resolvi compartilhar a minha experiência. Aproveitando a onda do TBT (Throw Back Thursday) que instituiu a quinta-feira como o dia para celebrar o passado, resolvi publicar este post numa quinta.

Naquela época, eu precisava espairecer e, de verdade, queria mesmo era um tempo fora do país, preferencialmente em NY, a minha cidade preferida :) Aí pesquisei sobre cursos de verão por lá e descobri coisas incríveis.

A primeira é que existem diversos cursos de todos os assuntos possíveis. E em faculdades ótimas. A NYU oferece cursos em várias áreas (e já está com a programação para este ano aberta), a incrível Parsons também disponibiliza uma série de cursos focados em moda, mas exige teste TOELF (nota mínima 79 pontos) e custam um pouco caro (cerca de 3 mil dólares).

A melhor opção que encontrei foi na FIT (Fashion Institute of Technology) que é uma faculdade simplesmente incrível! De verdade!

Lá me inscrevi para o curso Global Fashion Business e todos os cursos lá são vinculados com o ESL (English as a Second Language), cursos que são subsidiados e visam ensinar inglês a estrangeiros. Na prática, este tipo de curso tem 2 vantagens: não exige testes prévios como TOEFL ou similares e custam barato. Todos os custos têm um preço bem parecido (em torno de 1.100 dólares) para 4 semanas de aula de segunda a quinta, das 08 às 17h (com intervalo de almoço de 2h). A sexta-feira é livre mas eles programam atividades educacionais gratuitas para os alunos. Eu participei só de uma, que foi uma visita ao MET para ver a exposição PUNK. Mas em uma sexta eles levaram os alunos de ônibus até o outlet fora de NY, acredita?!

Minha carteira de estudante, que dá desconto em vários lugares!

Por ser estudante lá, eles te dão uma carteirinha que vale para todos os espetáculos. Lá não é como no Brasil, com uma lei que obriga o desconto de metade do preço para todos os shows, cinema, etc. Mas sempre dá um descontinho de 2 ou 3 dólares em quase todos os lugares e, para diversas peças da Broadway, eles oferecem alguns assentos exclusivos para estudantes a preços ótimos (cerca de 40 dólares). Eu assisti a uma peça sensacional chamada The Nance e só consegui ver por causa desta carteira linda :)

Na parte da manhã era um curso de inglês e na parte da tarde o curso de moda. Como eu já falo inglês bem, eu ia desencanar do curso mas descobri lá que a presença é obrigatória e não podemos ter mais de 20% de faltas se quisermos voltar para casa com um certificado. Eu quis e fiquei controlando  para não estourar.

Mas não foi nenhum sofrimento fazer as aulas não! Eles fazem um esquema bem legal para montar as classes. No primeiro dia, eles entrevistam um a um todos os alunos (em 2013, foram cerca de 130 no total) e dividem em classes de 15 alunos, todos com nível de inglês semelhante. Eles não classificam em níveis para as pessoas não ficarem frustradas (o que achei bem legal) e o nível das pessoas é realmente parecido.

A minha sorte é que eu estava numa classe super avançada, então não tinha muita lição. Eram mais exercícios de cultura e conversação, o que fez com que as aulas fossem super divertidas. E a minha professora era ótima, super didática e, como ela era uma jornalista freelance do NY Times, ela deu várias dicas boas sobre como escrever bem em inglês.

Neste curso eu pude fazer atividades como visitar o Memorial do 11 de setembro, aula de escrita criativa com a escritora Jamie Cat Callan que escreveu uma série de livros sobre as mulheres francesas e até brincadeira de fazer roupa com jornal! Olha que fofas as fotos:

A classe e a escritora Jamie Cat Callan

Eu, de modelo para uma jaqueta biker feita de jornal :)

Já o curso de moda teve os seus altos e baixos. A professora era meio mala e exigia uma dedicação que ninguém tá muito disposto a dar num curso de verão. Além disto, ela tinha um sério problema de não aceitar outros pontos de vista, o que fez com que esta parte do curso que eu achava que seria ótima, não fosse muito legal. Mas, tive algumas palestras que foram muito boas e valeram o curso. Tive até uma tarde de visita ao escritório do WGSN para entender como eles pesquisavam tendência em NY. Super demais! Na última aula, tínhamos que apresentar um trabalho em grupo, o que também foi legal.

Dia de visita ao WGSN em NY

Eu e meu grupo apresentando o trabalho final

As turmas tinham estudantes de todos os países mas a maior parte deles era advinha de onde?! Do Brasil, claro! E da China! Os dois países tinham cerca de metade dos alunos. A outra metade era bem dividida com estudantes da Suécia, Russia, Japão, Uruguai, etc.

Agora, o que chamou muito a minha atenção foi a estrutura da faculdade. Até para quem vai passear em NY vale a pena passar pela FIT para ir, pelo menos, ao museu de moda. Pequeno mas super interessante. A biblioteca deles tem, pasmem, TODAS as edições impressas da VOGUE e da HARPER's BAZAAR desde os anos 30! À disposição para consultarmos e fotografarmos. Um sonho! Descobri que a estrutura é tão boa assim porque a FIT era, originalmente, da NYU e se separou da faculdade para focar em moda e design. Legal, né?!


As revistas VOGUE desde 1934 disponíveis em estantes!

Apesar do baixo custo do curso, temos que considerar dois outros custos relevantes numa empreitada como esta: a passagem e a estadia. A passagem é sempre cara porque o curso começa na última semana de junho e acaba na última semana de julho. Eu lembro que eu paguei uns 1600 dólares. Isso comprando com uns 4 meses de antecedência. Mas é época de férias, então não tem muito jeito.

Para o custo de moradia eles oferecem uma boa solução: morar na faculdade por cerca de 1600 dólares para as 4 semanas. E dá direito a descontos bons nas refeições no restaurante da faculdade e acesso à academia. Mas este preço é para você dividir o quarto. Se quisesse ficar sozinho no quarto, o preço sobe para uns 2200 dólares, o que não é caro também. Mas você fica sozinho no quarto e não no apartamento que você divido com outro quarto que pode ter uma ou duas pessoas.

A FIT fica no Chelsea, então o lugar é incrível! Mas, como eu não tenho muita paciência para dividir espaço com estranhos, optei por alugar um apartamento no AirBnB. E olha, foi a melhor coisa que eu fiz! Consegui um apartamento de 1 dormitório bem fofo por cerca de 2 mil dólares. O único porém é que ficava no Harlem. Eu li os comentários e todos elogiavam o local e o dono (o Glenn Rice, super fofo e profissional, super indico para quem vai para NY) e diziam que era muito perto do metrô, o que era verdade: em 20 minutos eu chegava na faculdade! E vivi com privacidade uma vidinha bem feliz por lá.

Eu já escrevi aqui no blog sobre minhas descobertas e passeios durante esta viagem. Falei sobre o Brooklyn, sobre a moda masculina e o verão em NY e lojas de produtos personalizados. Mas foi muito bom fazer este post para lembrar daquele tempo ótimo que passei por lá, de todos os momentos bons que vivi e tudo que aprendi. E também para deixar estas dicas para quem se animar e se aventurar a fazer isto este ano. Vale muito a pena! Mesmo! Mesmo! Aproveita e entra no site da FIT para se programar.  As inscrições devem começar já, já.

Ah, um último reminder: Se você ficar o mês inteiro de julho por lá você vai pegar a liquidação do verão em todas as lojas, em todos os dias que estiver lá. No final de julho eles entram em Final Sale e os preços ficam simplesmente inacreditáveis. Para se ter uma ideia, fui na loja da Penguin no Bryant Park que é super chique e eles estavam com metade da loja com 40% off EM CIMA do preço promocional das peças (em geral já tinham baixado 60%). Então um tênis que custava 120 dólares, passou para 50 dólares na promoção e no final sale saía por 30 dólares. E, acredite se quiser, se você gastasse 200 dólares, você tinha um desconto de 75 dólares e pagava só 125 dólares. Não é de enlouquecer?! Então shopaholics, respirem calmamente! O meu host no Airbnb Glenn me disse uma frase que praticamente virou um mantra neste meu mês de férias: " É barato mas você ainda precisa pagar pelas coisas". Isso me ajudou a não comprar feito um maluco. Só como um louquinho talvez ;P

Minha barba crescendo pela primeira vez na minha vida. Só podia ser em NY :)



20 de fevereiro de 2015

As marcas de moda do Brasil com mais seguidores no Instagram

Depois de tanto tempo sem escrever no blog, resolvi voltar fazendo um post bem legal, com estudo e tudo mais!

Há tempos que o Instagram ganhou o espaço de rede social da moda. Com mais de 300 milhões de usuários ativos (fonte: Digital Marketing Ramblings) e um apelo visual que tem tudo a ver com o mundo da moda, cada vez mais as marcas têm investido em construir e manter um canal interessante nesta rede social.

Um recente estudo feito pela L2 Intelligence Commerce mostra que o Instagram consegue um engajamento 25% maior que as outras redes sociais, colocando a rede como um dos canais mais atrativos no Marketing digital. Os dois vídeos super interessantes que vi no site dão uma noção bem legal da relevância do Instagram nos dias de hoje:

Este primeiro vídeo fala sobre a importância das redes sociais para o engajamento do consumidor digital. Primeiro, ele explica que não há uma relação direta entre as redes sociais e compras nos sites (para as pessoas mais apressadinhas, que buscam o caminho mais rápido e fácil para julgar os canais) e explica que as empresas devem se atentar a estatísticas que mostram o engajamento das pessoas (acessando o site, visualizando os produtos, interagindo nos canais da marca) como algo muito mais relevante para os gestores de Marketing.



Já o segundo vídeo fala especificamente do Instagram como a mais poderosa ferramenta de comunicação e vendas no momento:



Adorei a qualidade dos vídeos e achei as informações riquíssimas, mesmo sendo parte do pouco conteúdo aberto que eles disponibilizam sobre os estudos. Imagina o resto do relatório?! Fiquei curiosíssimo!

Especificamente para a moda, o Instagram é ótimo não só porque lida exclusivamente com imagens mas exatamente pelo engajamento que gera nas pessoas. Criar posts que levem às páginas onde os looks podem ser comprados é o must de qualquer ação de Marketing e geram retorno direto sobre o investimento realizado.

Isto favoreceu muito o mercado das blogueiras que, ao postar fotos de produtos para os seus seguidores, geram uma onda de consumo direto para as lojas eletrônicas ou físicas. A estratégia tem dado muito certo, especialmente no Brasil, onde este tipo de divulgação tem crescido muito. Algumas blogueiras postam somente produtos que compram e aprovam, outras os produtos que ganham e algumas até cobram para publicar os posts (uma espécie de publieditorial no mundo dos blogs e redes sociais). Depende da blogueira e da relação dela com os seus seguidores, mas o fato é que este é um tipo de ação que tem ganhado muito destaque nos últimos anos.

Curioso sobre o tema, pesquisei sobre as principais marcas de moda que investem nos seus canais no Instagram mas não achei nada muito específico então decidi colocar a mão na massa e montar uma lista com as principais marcas de moda brasileira no Instagram.

Deu um trabalhão sair olhando conta por conta mas, no final, fiquei bem surpreso com o resultado. Primeiro, defini alguns critérios para fazer o levantamento: entrei no site de alguns shoppings de SP e do RJ (Iguatemi, Eldorado, Center Norte, Barra e Village Mall) e nos sites Dafiti, Netshoes e OQVestir e listei todas as lojas e marcas que comercializam produtos por lá. Em seguida, olhei a conta oficial do Instagram de todas as marcas. Para as marcas internacionais, busquei pelo canal brasileiro (como Prada, Nike, Adidas) e fui listando as marcas com mais de 100 mil seguidores.

Para a minha surpresa, cheguei a uma lista com apenas 36 marcas (considerando beleza, sapatos e tudo mais!). Nomes como Ellus (87 mil), H Stern (56 mil), Forum (54 mil) e Natura (8 mil) ficaram fora desta lista, o que mostra que, embora já tenha crescido muito como um canal de divulgação, há espaço para muito mais nos próximos anos.

A marca com maior número de seguidores no Instagram é a Schutz (1,1 milhão), seguida pela irmã Arezzo (824 mil) e a concorrente Melissa (679 mil). Foi uma surpresa também perceber que as marcas de sapatos aparecem com mais destaque na lista, sendo responsável por 5 das 10 marcas com mais seguidores no Instagram. Renner e Riachuelo brigam lado a lado com 532 mil seguidores x 501 mil seguidores (respectivamente) como representantes do varejo brasileiro. E a John John é a marca de moda com mais seguidores, com 471 mil seguidores, na oitava posição do ranking, seguida de perto pela Colcci com 415 mil seguidores em décimo lugar.

Abaixo divulgo a lista completa das 36 marcas que passaram a barreira dos 100 mil seguidores:


#
Marca
Conta
Seguidores (mil)
1
Schutz
Schutzoficial
1100
2
Arezzo
Arezzo
824
3
Melissa
Melissaoficial
679
4
Renner
Lojasrenner
532
5
Riachuelo
Lojasriachuelo
501
6
Santa Lolla
santa_lolla
498
7
Carmen Steffens
Carmensteffens
490
8
John John
JohnJohndenim
471
9
C&A
Cea_brasil
436
10
Colcci
Colccioficial
415
11
Lança Perfume
lancaperfume
384
12
Vivara
Vivaraonline
350
13
O Boticario
Oboticario
350
14
BoBo
Bobonews
343
15
Farm
Adorofarm
338
16
Le Lis Blanc
lelisblanc
299
17
Quem Disse Berenice
quemdisseberenice
294
18
Animale
Animalebrasil
288
19
Natura
Maquiagemnatura
234
20
Agua de Coco
Aguadecocobr
217
21
Mr Cat
Mrcatoficial
172
22
Cia Maritima
Ciamaritimaoficial
164
23
Daslu
dasluoficial
156
24
Planet Girls
Planetgirlsoficial
155
25
New Era
newerabrasil
151
26
Morena Rosa
Morenarosaoficial
147
27
Chilli Beans
Chillibeansoficial
143
28
Rosa Cha
rosacha
134
29
Osklen
Osklen
131
30
My Shoes
myshoesoficial
128
31
Mixed
Mixed_brazil
120
32
Bobstore
Bobstore
115
33
Dumond
dumondoficial
111
34
La Rouge
LaRougeBelle
109
35
Adidas
adidasbrasil
104
36
Converse
Converse_br
100



Informações super interessantes, né?! Para um próximo post, vou pesquisar sobre as hashtags e estratégias das marcas para tentar contar algumas histórias novas aqui no blog. Curti ;)