30 de julho de 2014

O charme de ser antigo

A cada temporada, o jeans autêntico vem ganhando cada vez mais espaço no mercado. Em geral, o que se destaca é a qualidade do tecido e as variações de lavagem que remetem a um aspecto super vintage, dando uma cara original, autêntica à peça, remetendo ao denim verdadeiro, do final do século XIX.

Já falei sobre esta tendência em alguns posts aqui no blog mas o que me chamou a atenção e me fez escolher este tema para o post é o crescimento de lojas focadas não só nas características de lavagem e aspecto do jeans original mas também no espírito vintage, dando toda uma roupagem antiga às peças e às lojas.

Dois exemplos de grande sucesso são a R.R.L (Double RL - Ralph Lauren) e a Made & Crafted da Levi's. Ambas são lojas especializadas de marcas gigantes do mercado de moda mas com um toque especial de branding e produto que tem tudo a ver com o espírito das marcas principais.

A R.R.L me surpreendeu desde a primeira vez que a conheci, ano passado em NY. Toda a coleção e a ambientação da loja inteira remete à época dos cowboys e mineradores, os primeiros "consumidores" do produto. Olha a campanha deles que incrível:





Já dá para ver que as roupas têm mesmo um visual super vintage e antigo. O corte, a lavagem, as cores, tudo faz com que as roupas pareçam um figurino de filme. Super demais! À primeira vista, achei um movimento ousado da Ralph Lauren, afinal, o mercado de pessoas interessadas em comprar peças com estas modelagens e lavagens tão retrô deve ser pequeno.. mas como a marca existe desde 1993 e todas as vezes que a visitei tinham diversos consumidores provando e comprando por lá, acredito que esteja indo bem. Semana passada estive em NY e visitei novamente a loja. Continua cheia. E é mesmo linda e especial, veja:




Tem todo um clima antigo que parece que voltamos no tempo. Os vendedores super estilosos e informados explicam aos consumidores o conceito da marca e o trabalho investido em todas as peças vendidas na loja. Fazem isto para justificar o preço mega premium das peças, onde uma calça da RRL é vendida por mais de mais de 300 dólares.Veja alguns modelos e preços vendidos no site :




Fiquei apaixonado pelos produtos mas, infelizmente, não dá para comprar.. Olha que jaqueta incrível a de 1.600 dólares. E a calça vermelha de 340, então?! Demais! 

Além dos vendedores explicarem todo o investimento na qualidade, achei bem legal que a própria marca explica todo o conceito de qualidade que eles aplicam nos produtos: a costura especial, o cuidado na lavagem, feita à mão para replicar com exatidão a passagem do tempo e muito mais:






A R.R.L tem 6 lojas nos EUA, 1 na Inglaterra e 1 no Japão. Mas os seus produtos também podem ser encontrados em lojas de departamento como a Macy's,

Já a Made & Crafted da Levi's tem um conceito mais comercial, mesmo tendo somente produtos inspirados no final do século XIX. Todas as peças têm um cuidado especial para terem esta cara bem antiga, mega retrô. Para isto, investem no tecido, modelagem e lavagens certos, cuidadosamente estudados. Olha que incrível algumas imagens do site deles:





Os produtos têm um preço premium, mas não tanto como a R.R.L. As calças saem por volta de 180 dólares mas podem ser vendidas por preços muito menores que isto, caso cheguem às promoções da Levi's. O que não acontece na R.R.L que não abaixa tanto os preços assim nas promoções, o que significa que se você quiser uma peça R.R.L vai ter que investir. Uma peninha.. mas acho que está certo e faz parte da estratégia de Branding deles. 

Já a Made & Crafted opta por desovar os estoques e faz promoções bem boas. O que é ótimo para os consumidores. Até eu aproveitei (afinal, não compro tanto assim...rsrs.. sqn). Comprei um macacão lindo deles que baixou de R$ 980 para R$ 207 na loja da Oscar Freire. Olha que lindo:



Super estiloso, né?! Agora tenho que pensar em como usar isto no meu dia a dia.

A Made & Crafted tem lojas espalhadas em todo o mundo pois faz parte das lojas da Levi's. Aqui no Brasil, ela tem um andar exclusivo na loja da Oscar Freire. Denim lovers: confiram! vale muito a pena..

Um ponto que as duas marcas têm em comum é o orgulho de ser americano. Assim, todas as calças são produzidas nos EUA e mostram isto claramente nas peças. É que eles têm com o jeans um orgulho parecido com o que os brasileiros têm com o futebol. Algo bem emocional mesmo. Mas, pelo menos, não é um orgulho cego. Por conta da qualidade, ambas as marcas também deixam claro que suas peças são feitas com jeans japoneses de alta qualidade. Aficcionados pelo tecido, os japoneses desenvolveram técnicas artesanais de fabricar o tecido e investem continuamente no processo artesanal de construção, focando sempre em qualidade. 

Por usar estes tecidos, todas as peças deles têm o jeans Selvedge. Para quem não conhece, é um super charme que se dá à calça. Segue uma explicação rápida, com imagens que encontrei na internet: os denims mais antigos eram tecidos artesanalmente em maquinários com praticamente metade da largura dos teares modernos. Assim, uma tecelagem que investe em teares artesanais deste tipo, produzem tecidos com metade da largura encontrada no mercado, o que demonstra que o foco principal destes produtos é na qualidade e não no custo.  



A foto abaixo mostra como uma calça pode ser cortada na largura de um tecido selvedge. Veja que as duas extremidades do tecido serão costuradas por fora para fechar a calça.


O resultado pode se ver por dentro da calça, onde as duas extremidades do tecido se encontram e dão este charme todo especial à barra da calça que, quando virada, apresenta estas costurinhas vermelhas mega fofas (a cor pode mudar, mas o mais comum é ser vermelho mesmo):





Quando o mesmo efeito é feito com um tecido não selvedge, as laterais são costuradas para evitar as farpinhas do tecido cortado, e ficam com uma cara mais ou menos assim:



Eu particularmente acho um charme o selvedge denim e, como adoro dobrar a barra das minhas calças, sempre fico mais tendencioso a comprar a calça se ela tem este aspecto do selvedge. E, pelo sucesso da R.R.L e Made & Crafted, parece que muitos outros consumidores também aderem a este apelo. Legal, né?!







30 de junho de 2014

As loucuras dos amantes do denim

É engraçado ... Quem se familiariza com o jeans se apaixona rapidamente pelo produto. E,  cada vez mais, marcas e empresas super especializadas têm oferecido a estes consumidores produtos incríveis e um nível de informação apaixonante.

Ao invés de fits da moda, cores da estação, para os denim maníacos o assunto é sempre o mesmo: o jeans. E o que eles reverenciam é a principal característica do  produto: o fato dele se desgastar conforme o uso, dando uma personalidade única para cada peça.

No começo dos anos 80, o tecido desbotava sem parar. Pelo relato de muitas pessoas (sou novo, não vivi esta época...rsrs) as calças jeans (ou calças Lee como eram chamadas) tinham que ser lavadas separadas das outras peças de tanto que desbotava (dizem que a água ficava totalmente azul).  Este rápido desbote dava às pecas este aspecto tão legal :

Foto original da série Anjos da Lei, de 1987

Olha a jaqueta e a calça nesta foto da série Anjos da Lei, do final dos anos 80. De tanto usar e lavar, a peça desbotou de uma maneira única, registrando os momentos que as pessoas viveram com elas.

O máximo, não?! Nem tanto.. o desbote passou a ser visto como um defeito, um problema a ser resolvido, pois além de manchar as outras peças (além dos sofás, paredes, etc.) as peças perdiam rapidamente o aspecto original. Assim, a indústria encontrou formas de parar este desbote no próprio tecido, com processos de acabamento e resinas, ou na peça pronta, com lavagens especiais na finalização do produto.

Mas muita gente curtia este lance do desbote e estas pessoas, pouco a pouco, foram ganhando espaço no mercado, um novo nicho, o dos apaixonados por denim.

Algumas marcas passaram a se posicionar para este mercado e oferecer produtos que desbotam sim. Mas não por falta de qualidade, simplesmente por escolha. Assim, ao invés do processo de desbocamento sem controle dos anos 80, os produtos passaram a oferecer um processo com uma cara mais natural, slow, algo mais sofisticado e requintado.

Empresas como a sueca Nudie dedicam um grande espaço em seu site e nas lojas para os produtos que têm esta característica. Lá no site deles tem um guia super completo para saber como tratar, cuidar e até indicações de como lavar as calças jeans.

Olha que legal estas imagens, mostrando como a cor vai caindo com o uso e o passar do tempo:






Estas imagens são para o uso constante da calça (tipo 4 a 5 vezes por semana) e veja que eles recomendam a lavagem SOMENTE após 8 meses de uso. Sim, isso mesmo que você leu... 8 meses. Usa quase todo dia e só lava depois do oitavo mês. E realmente, é gritante a diferença antes e depois da lavagem.

Sim, eu sei que para nós brasileiros dá um "nojinho" pensar em não lavar a calça por tanto tempo, mas é isso aí. Quando lavamos, meio que agredimos a peça e o processo "natural" de desbote fica comprometido. Recentemente, o presidente da Levi's chocou a todos quando apresentou este conceito. Mas é algo que veio para ficar, veja pelas palavras dele:

No site da Nudie há também um guia que mostra quando você deve lavar a sua calça jeans para ter este efeito tão cool:



Note que a primeira pergunta é se o seu jeans já foi amaciado ou pré-lavado antes de você comprar. Se foi, ele não desbotará mais e não terá o efeito que você quer. Aí você pode lavar quantas vezes quiser.  Uma pena que a maior parte dos jeans aqui no Brasil já vem amaciado. Se quiser comprar um jeans deste tipo, é melhor procurar por opções lá fora. Uma forma de você ver se o tecido está desbotando bastante é esfregando uma folha branca para ver se sai pouco ou muito manchado. Mas, mesmo assim, não é garantido. É melhor perguntar ao vendedor ou ver se a peça faz parte de uma linha especial.

E o interessante é que eles até dão umas dicas de como tirar o cheiro (se a peça estiver com cheiro de suor) e as manchas (que, na verdade, você pode deixar).

Mas toda esta história vale a pena! Olha o visual incrível destas calças:


Usada por 12 meses, 2 lavagens

Usada por 24 meses, 3 lavagens
A Livid Jeans oferece aos seus clientes um serviço de até três reparos completos nas calças que eles vendem (todas com este conceito especial de desbote) para remendar buracos, furos e coisas do tipo. Aí eles aproveitam as calças mais legais e contam um pouquinho da história delas no blog deles. Vai dizer que não é legal?!

Vale ressaltar quando você for comprar esta peça que o mais indicado são tecidos premium, de preferência mais pesados e 100% algodão. Sim, você pode sentir um pouco de falta do elastano no começo mas o conforto acaba melhorando com o uso, quando o tecido fica mais amaciado e adaptado ao corpo.

Para terminar esta matéria, quero colocar uma curiosidade: olha este tutorial para fazer em casa a lavagem ácida (marmorizada), típica dos anos 80. Ele usa uma mistura de água com água sanitária. (50% de cada) e borrifa em partes da peça. Depois seca com secador de cabelo para controlar os padrões das manchas. E lava na máquina normal... Vale a pena ver para acompanhar como é o processo. Só não é muito indicado pois o uso deste produto pode destruir o tecido e o tiro acaba saindo pela culatra.  De qualquer forma, é interessante e vale a pena assistir (sorry, não achei com legenda. Mas dá para entender..)




26 de junho de 2014

4 Livros, 1 Filme

Sim, andei meio sumido do blog mas é até por um bom motivo...Ando numa fase especial, onde tenho dedicado muito tempo à cultura e resolvi falar de 4 livros e 1 filme, trabalhos que conheci neste último mês...

Um livro que me tocou muito foi o "Por favor, cuide da mamãe". Ele conta a história de uma mãe que se perde numa estação de metrô de Seul. A narrativa é super sensível e conta a história de uma mulher simples que dedica toda a sua vida aos filhos.



Dividido em 4 partes, o livro apresenta a visão da busca pela mãe a partir do ponto de vista da filha, do filho, do pai e da própria mãe. Cada um vai contando o que sente e o que lembra da mãe e tanto o pai como os filhos percebem momentos em que deixaram de prestar atenção às necessidades da mãe, tão acostumados estavam com a preocupação vir sempre da parte dela. Extremamente tocante e muito especial. Super recomendo!

Outro livro que me surpreendeu foi "Memórias do Subsolo", do Dostoievski. Pelo título (e por ser Dostoievski) achei que seria um livro pesado, difícil. É simplesmente o contrário disso!

É uma narrativa em primeira pessoa de uma personagem relembrando suas principas dúvidas e questionamentos em relação a sua vida. Mesmo tendo sido escrito por volta de 1870, o livro mais parece uma compilação de sessões de terapia onde o leitor assume o papel de terapeuta, ouvindo todos os pontos de vista e questões que a personagem apresenta numa narrativa contínua, sem pausa alguma, onde vai expondo o que pensou e como se sentiu em cada acontecimento.



Em algumas partes, o livro chega a ser hilário com relatos e medos super banais que tornam a leitura leve durante todo o texto. Mas, como não deixa de ser Dostoiévski, é profundo e interessante em diversos pontos do livro. Riquíssimo! Pra quem está curtindo a série "Sessões de Terapia", este livro é um prato cheio!

Agora o livro que me deixou extremamente surpreso foi "Fim" da Fernanda Torres. O livro todo é ótimo! Super fácil de ler e com um texto inteligente, rápido e criativo. Ao contar a história de 5 amigos que, em determinado momento, encontram o fim de suas vidas, o livro mostra as visões destes amigos sobre si e sobre os outros, na perspectiva de cada um dos 5 - e também das outras personagens que participam das histórias. O resultado é um texto rico, onde temos fatos que se cruzam e se contradizem em versões distintas mas que, ao mesmo tempo, se complementam e permitem que criemos uma percepção completa da história, como se estivéssemos em uma roda de fofocas, ouvindo "baphos" o tempo todo.


E o legal é que os 5 personagens principais têm características e percepções de vida bem diferentes e todas apresentam o seu ponto de vista em relação ao que enxergam como sentido da vida e como vêem suas próprias fraquezas... Li em 4 dias! E fiquei extremamente bem impressionado!

Agora um livro que me decepcionou foi "Benjamin" de Chico Buarque. Por ele escrever letras de músicas tão lindas, imaginei que um romance dele seria simplesmente incrível... Só que não! #sqn

O texto é extremamente chato, a história pouco criativa e, em nenhum momento, criei empatia por algum personagem. A história é contada de uma forma distante, impessoal, com um texto extremamente descritivo - especialmente em momentos que não precisaria ser. A impressão é que pretende ser inteligente e interessante, mas não passa de algo pretensioso, com um tom super wannabe. E, mesmo não tendo nada contra previsibilidade, o fim é tão previsível e sem-graça que quase dá vontade de chorar (por ter perdido tempo lendo o livro). Enfim, nem tudo são flores...rsrs



Agora, assisti a um filme sobre um livro que eu tinha curiosidade em ler: "A Culpa é das Estrelas". Decidi que não vou ler o livro, Não pela história, ela é, diferente de Benjamin, linda e rica, extremamente emocionante, sem cair no melodrama. 

Mas o filme é difícil (em momentos parece uma tortura, como "Dançando no Escuro") mas, diferente do filme de Lars Von Trier, há uma mensagem positiva no filme. É uma história triste, só isso. Mas que tem momentos de extrema beleza que mostram como é possível ser feliz, vivendo o agora. E o balanço é positivo pois se tirarmos o lado triste da história, vemos que é, na verdade, uma história de amor lindíssima. Não daquelas tradicionais, onde tudo é perfeito e acaba bem no final, mas algo mais real, imperfeito. Super recomendo. Olha o trailer do filme, que fofo! Nele já dá para ver que é um filme especial:



Mas leve lenço, pois não há como não chorar no filme. E, mesmo decidindo não ler o livro para me poupar, fiquei nteressadíssimo nos outros trabalhos dele :)

26 de maio de 2014

The last four

Sim, tudo que é bom, dura pouco.. E agora chegou o momento de fazer o último post com as macrotendências de moda para o inverno 15. Aqui estão as últimas quatro tendências para os homens no Inverno 2015:


9) Mix and match 

Apareceu uma série de peças com mistura de tecidos, o que realmente confirmou isto como uma super trendy nos desfiles internacionais. À primeira vista, parece algo meio hippie falar de peças feitas com colagem/costura de tecidos diferentes mas, ao contrário do que se espera, os looks apresentados eram super refinados e comerciais: 

Olha o patchwork mega chic da calça no segundo e terceiro looks abaixo, ambos de Junya Watanabe.


E que lindo este terno meio cinza meio caqui da Custo Barcelona. Isto sem falar da calça com dois tecidos misturados da Opening Ceremony (primeiro look da esquerda):


Também amei as calcas super modernas com recortes em cores fortes e/ou contrastantes mostradas abaixo. Que incrível a calça da Dolce&Gabbana (primeiro da esquerda) e que mega fashion a calça pink com azul metalizado do Jeremy Scott.


E o que são estes casacos com tecidos diferentes da DSquared2 (dois primeiros looks da esquerda)? #queroagora #masnaopossopqcustaumafortuna :(



10) Tô begeee


É, foi bege de tudo que é jeito nos desfiles de inverno 15. Mesmo sendo uma cor básica, não é normal ver tantas opções assim no inverno, o que faz com que a cor se torne um dos destaques da estação. O look lindo total num tom mais camelo da Calvin Klein (terceiro da esquerda) ou a calça mais caqui da Vivienne Westwood (último look) mostram como a cor consegue ser versátil:


E que linda a jaqueta em couro caramelo da Calvin Klein (primeiro da esquerda) e o sobretudo com alguns desenhos do Raf Simons!



Fofíssima a combinação de tons do primeiro (Bottega Veneta) e último (Mark McNiary) looks abaixo:


Sim, eu realmente amei o terninho acinturado do Salvatore Ferragamo abaixo (primeiro da esquerda). Tanto , que ele aparece nas outras fotos tb.. Tenho tendência a ser repetitivo quando gosto de algo...rsrs...



11) Fina, fina, fininha


Peças com cintura marcada fazem parte de uma moda para poucos..  mas dá um charme todo especial para aqueles que podem investir neste look. E apareceu em diversas marcas que desfilam masculino, o que é pouco usual, fazendo com que esta tendência ganhe relevância e se torne uma referência na estação.

Lindo o sobretudo sem mangas da Prada (primeiro da esquerda)! Também amei o sobretudo militar da Daks (segundo)!



Haha, o repetitivo aqui colocou novamente o terno da Salvatore... rsrs.. mas com este cinto tão marcado não tinha como ficar de fora deste tópico! Destaque também para o casaco acinturado de Robert Gellet (primeiro da esquerda) e a malha com inspiração militar da Public School (terceiro).



Jaqueta estampada acinturada e certinha da Salvatore Ferragamo e camisa super acinturada da JW Anderson são variações contemporâneas de fits básicos do armário masculino (segundo e terceiro looks, respectivamente).


Uma graça o cintinho da malha que o Raf Simons (primeiro look) e incrível a outra opção de camisa super acinturada da JW Anderson  (último look).



12) Tudo é tão fofo :)


Tinha que deixar o que é fofo pro final, então a última tendência que destaco aqui são os casacos e tops com tecidos fofos e/ou com efeito matelassê.

Que linda a bomber jacket cinza com detalhes em marrom da Salvatore Ferragamo (terceiro look):


E o que é este casaco mega fashion roxo num tecido que parece pele da Versace?!



Lindos os casacos esportivos com detalhes em rosa da Dries Van Noten (primeiro) e o amarelo com cinza da Nautica (segundo). Super comerciais!



Simplesmente lindas as jaquetas com textura (terceiro) e matelassê com maxibolsos da Vivienne Westwood (segundo):




E estas foram as 12 tendências de moda masculina para o Inverno 15 !

Foi ótimo fazer este trabalho e acho que os posts ficaram bem legais. O que você achou? Comente aqui embaixo.. Sim, eu sei que é um pouco ultrapassado fazer comentários em blogs, mas vamos ser um pouco vintage?!

*fotos extraídas do Style.com

7 de maio de 2014

Mais 4 tendências de moda para os homens no Inverno 15

Continuando a série de tendências para a moda masculina no inverno 2015, apresento aqui mais 4 pontos importantes que devem ser notados por quem cria (e consome) moda para homens.

5) Militar sim senhor!


Sim, o estilo militar reaparece com força total no Inverno 2015. Foram diversas referências, principalmente nos shapes. Alguns mais literais, outros só nos detalhes. Mas foi uma aposta comum em diversos desfiles e, por isto, deve marcar o seu espaço nas coleções.

Os tons militares aparecem com algum destaque nos desfiles, mas o ponto principal é mesmo o shape das peças, com bolsões utilitários que lembram muito os uniformes.

Os detalhes das calças de guerreiros, com recortes e pespontos marcados também lembram o tema e dão uma cara incrível às peças:


Como não amar este conjunto em couro vermelho gasto, mega hiper militar da Belstaff?! E a calça caramelo deles também está demais!


A camisa em matelassê com estampa camuflada verde foi uma super inovação da Superdry para a estação. E a jaqueta em couro meio marrom e meio vinho da Bottega Veneta um luxo!



O casaco com fundo de pele e shape super aviador em um lindo couro marrom da Belstaff é um dos looks mais legais que vi em toda a estação. Amei o detalhe super discreto da nova proposta de calças cargo do Philip Lim, que subiu e trouxe para mais perto da cintura. Lindo!


Até os looks com cara de "cheguei da guerra agora, me acolhe" como o sobretudo super luxuoso da Daks ou o uniforme camuflado da Balmain aparecem com uma cara atual e super comercial:


Amei o tom cinza preto gasto e o casaco com bolsões utilitários gigantes da En Noir. Me apaixonei também pelo casaco acinturado sem mangas da Prada:


Viu quantas referências? É uma tendência forte para a estação? "Sim, senhor!"em alto e bom som... rsrs

6) 50 tons de vermelho


É, assim como a moda feminina, os tons de vermelho e vinho aparecem com muito, mas muito destaque na estação. Fiz a brincadeirinha com o livro porque realmente são muitos tons que aparecem nas passarelas, variando do vermelho alaranjado ao vinho bem escuro. Mas os mais predominantes são os tons mais abertos de vermelho e mais brilhantes de vinho.

Olha que incrível o tom da saia no look da Dsquared2:


E o vinho fechado e brilhante do casaco de couro da Daks:


Sim, novamente o look da Belstaff em destaque mas não podia deixar de colocar, afinal, o tom envelhecido de vermelho está incrível. Destaque também para o couro vermelho da calça da Bespoken:


E o vermelho mega vivo do look cowboy vampiro do Versace e do casaco em couro e com bolinhas pretas do John Richmond:



7) Prints all over the place


Sim, as estampas estão com tudo mesmo! Em partes localizadas ou no look total, elas customizam as peças e dão um ar todo especial aos modelos. Olha que estampa sensacional no terninho da Vivienne Westwood. Uma mistura completamente louca mas que faz todo sentido:


E o look mais louco ainda da Katie Eary?!:



Foram referências atrás de referências de visuais montados com estampas exageradas, mistura de desenhos, onde todo tipo de ousadia é permitido. Quem diria que misturar caveiras e folhas vermelhas num fundo preto fosse resultar numa estampa tão legal quanto a do terno abaixo?!



E o xadrez misturado com a calça com xadrez e camuflado da MSGM?! Ao invés de ser algo poluído, parece tão atual e novo que faz querer sair na rua assim agora:


E o casaquinho com patch do John Galliano com legging estampada? "Ai que loucura!" no melhor estilo Narcisa...


Bom, e o quarto e último tema desta segunda parte das tendências de moda masculina não poderia deixar de falar dele, sim, claro, dele:

8) O Eterno Jeans


Existe moda masculina sem jeans?! Não senhor! (ainda influenciado pelo militar..rsrs). Ainda mais aqui no Brasil. Destaque para o jeans mais destruído que apareceu nos desfiles. O aspecto gasto e os efeitos de rasgos e contrastes com o fundo do tecido são uma das apostas das marcas para a estação.

Olha a calça da sempre incrível Dsquared2 no segundo look abaixo:



E as calças destruídas com patches exagerados e divertidos do Junya Watanabe (os looks com chapéu):



A calça mais básica mas com lavagem bem gasta e barra dobrada dá uma cara comportada rebelde que é bem legal, como mostrada no primeiro look, da Dior Homme.


O super destroyer com rasgos e respingos de tinta em fundo já clareado na peça do Versace mostra que o detonado total das peças também tem espaço no inverno:


Ufa! Foram vários e vários looks neste post. Stay tuned para o terceiro e último post da série moda masculina Inverno 15! Em breve, aqui..

*fotos extraídas do site Style.com