29 de novembro de 2012

Phenomenon, criatividade e ousadia na moda masculina

Pesquisando sobre as coleções de moda masculina, vi o desfile de uma marca que eu não conhecia e que gostei bastante: a Phenomenon. A marca japonesa foi lançada em 2004, teve origem no bairro megahype Harajyuku e tem a cara da moda japonesa: moderna, diferente e interessante.

Phenomenon Verão 14

Phenomenon Verão 14


O designer responsável pelas coleções é Takeshi Osumi, um representante do hip hop no Japão. Olha que exótico! A última coleção que eles desfilaram na semana de moda de Tokyo realmente impressiona pelos fits diferentes, estampas ousadas e combinações de cores inusitadas que só dão certo quando um japonês pensa nelas.

Phenomenon Verão 14

Phenomenon Verão 14


Olha o desfile da coleção Verão 13 (que para a gente seria verão 14) que eles fizeram há 2 semanas:



O que eu mais gostei é que as combinações são irreverentes e ousadas mas sempre de uma maneira sutil, natural. São looks que dá vontade de comprar nas lojas e já usar no próximo verão! Infelizmente descobri no site da marca que os preços são bem caros.

Phenomenon Verão 14

Phenomenon Verão 14


É que, como toda marca japonesa, eles primam pela qualidade da produção da peça, o que já a deixa mais cara. E como vi que muitas peças estavam esgotadas nas loias online, acredito que também invistam na exclusividade das peças, o que as deixa caríssimas: uma camiseta custa cerca de 300 dólares, uma mochila 600. Mas mesmo assim, é legal ver uma marca que mostra que é possível inovar e ser ousado na moda masculina. Finalizo o post com mais algumas fotos da marca.

Phenomenon Verão 14

Phenomenon Inverno 13

Phenomenon Inverno 13

Phenomenon Inverno 13



28 de novembro de 2012

Novas formas de negócio na economia digital: agências de infográficos, lojas de fotos do Instagram, e-commerce de templates e fontes.

Buscando algumas informações sobre o mundo das redes sociais, acabei encontrando uma agência especializada em infográficos e templates que é bem legal: a Lemon Ly.

O lema da agência é criar conhecimento através de visuais: vídeos, apresentações e, principalmente, infográficos. Para quem não está familiarizado com o termo, são aqueles blocos de informação com figuras e gráficos que as revistas usam para ilustrar o tema principal das matérias.

O legal é que descobri no site deles que eles têm uma lojinha onde você pode comprar Gráficos, Templates (para sites, convites, blogs, etc.), Fontes e outras coisas de design. Tem muita coisa legal e o preço é bem em conta (variando entre 5 dólares e 60 dólares). Eles especificam o tipo de arquivo que você receberá. Em geral, arquivos para programas de design como Photoshop, Corel Draw e outros. Para acessar a loja, clique aqui.

O Lemon Ly é mais um exemplo dos tipos de negócio que têm aproveitado as ferramentas das mídias sociais e da internet para oferecer novos produtos e serviços. Um outro exemplo interessante é o Instacanv.as que é um site australiano que se conecta às contas dos usuários do Instagram e comercializa produtos feitos com a impressão das fotos dos usuários. Os produtos são bem legais: desde quadros com moldura, até cartões, calendários e capas de Iphone. O processo para ter a sua "galeria" é um pouco complexo mas depois de um tempo, ela fica no ar e você pode comprar e vender as suas fotos. O legal mesmo é ter um site onde você possa acessar facilmente as fotos que você publicou no Instagram sem ter que estar conectado no IPhone ou IPad. Já criei a minha galeria lá.. visitem: http://instacanv.as/fabiosandes

Bom, como eu disse no início do post, achei o Lemon Ly quando buscava algumas informações interessantes sobre redes sociais. E consegui! Lá tem um vídeo que mostra as "estrelas" das redes sociais em 2012, como se apresentasse um time de baseball. Fofo! As informações são bem interessantes também. Ele mostra que o Facebook fecha o ano com 1,1 bilhão de usuários, sendo que 600 milhões acessam a conta regularmente por celulares. O Twitter aparece em segundo lugar com 170 milhões de usuários ativos. O Instagram aparece com impressionantes 100 milhões de pessoas conectadas em todo o mundo, o Linked In tem mais de 60% dos seus 175 milhões de usuários morando fora dos EUA e o FourSquare contabilizou 2,5 bilhões de "check-ins" em 2012. Incrível, né?!



Para finalizar o post, coloco alguns infográficos interessantes que achei no site. O primeiro mostra os principais serviços de música na internet. eu só conhecia o Rdio e o ITunes Match. Aliás, já tinha até escrito sobre o Rdio aqui no blog.:


O segundo traz informações relevantes sobre o Twitter. Eu nem imaginava que terça e quarta eram os dias com mais tweets!


E o último é um infográfico tristinho: ele apresenta o grave problema que é até hoje a gravidez na adolescência. Achei bem interessante a forma direta e clara que eles encontraram para mostrar a informação. Conseguir este tipo de concisão é realmente uma arte. Curti!



26 de novembro de 2012

Kansas já pode se conectar à internet com velocidade de 1 GB

Já imaginou uma internet com 1 GB de velocidade? Os sortudos moradores de Kansas City já podem contar com isto em casa. E o que é mais legal: o serviço é oferecido pelo Google.

Prédio do Google Fiber


O Google Fiber é um produto novo da empresa que procura estabelecer um novo padrão de serviços de internet no mundo. Para alcançar a velocidade ultrarrápida, o Google investe na tecnologia de cabos de fibra e o serviço é cuidadosamente pensado para evitar quedas e oferecer o máximo de velocidade o tempo todo. Logicamente que isto requer uma série de aparelhos. O legal é que o Google já inclui na prestação de serviços o fornecimento de todos eles: um hd externo de 2TB para guardar tudo o que você quiser, uma caixa de rede para receber e distribuir o sinal, um aparelho específico para colocar a internet na TV, um roteador ultra potente e um tablet que serve como controle remoto de todos os aparelhos. E ainda conta com o suporte do Google Drive para armazenar o que quiser nas nuvens: para os assinantes do serviço, o Google disponibiliza 1 TB de espaço, suficiente para armazenar milhares de filmes e músicas em alta qualidade. É ou não é para deixar os nerds de tecnologia morrendo de inveja? Olha que legal o vídeo que o Google preparou para demonstrar a diferença de velocidade de conexão:



O serviço oferece a opção do usuário assinar internet ultrarrápida, internet ultrarrápida com TV a cabo e só internet sem super velocidade. Assim, o usuário decide entre pagar 120 dólares por mês para ter tudo, 70 dólares para ter só a internet ou nada por mês mais 300 dólares de instalação para ter o equipamento em casa e só a internet conectada em velocidade normal.

Espero que esta tecnologia chegue logo ao Brasil. Hoje já temos o Vivo Fibra que chega até 200 MB/s mas custa cerca de 300 reais por mês só o serviço de internet. É caro e não é tão rápido mas já é um avanço. Além disto, como o vídeo do Google mostra, o serviço de internet por fibra é mais estável e constante que os demais:





O infográfico abaixo apresenta as cidades com as maiores e menores velocidades médias de conexão no mundo. Apesar de não citar o Brasil, no mapa mundial as bandeirinhas mostram que as nossas velocidades estão abaixo da média mundial. É, está mais do que na hora do Google Fiber chegar por aqui.. Mas acho que não vai rolar... :(






9 de novembro de 2012

Tokyo, um outro mundo do outro lado do mundo.


Viajar sempre é bom. É uma pausa na vida, uma forma de respirar com mais liberdade. Além de aumentar (e muito) a sua cultura. Nas minhas últimas férias, fiz uma viagem incrível. Fui a Amsterdã e a Tokyo. Ao todo foram quase 3 semanas. Para ser mais exato, 20 dias, nos quais descobri um mundo totalmente novo.  Amsterdã é uma gracinha de cidade e as minhas impressões sobre a cidade podem ser vistas neste post.

Agora Tokyo foi realmente uma experiência única! É impressionante vivenciar uma cultura tão diferente da que estamos acostumados. E olha que, se pararmos para pensar, as diferenças nem são tão extremas assim, afinal, trata-se de uma metrópole com um estilo de vida muito parecido com o de São Paulo. Mas, mesmo assim, tudo é tão diferente que temos a certeza de que estamos do outro lado do mundo. Ou que estamos (sem exageros) em outro mundo.

Fotos da arquitetura hiper moderna de Tokyo


As diferenças são sutis mas significativas. Duas delas chamam muito a nossa atenção: a limpeza da cidade e a educação das pessoas. Todos são extremamente gentis, educados e civilizados. Há um senso de respeito ao outro em todos os lugares e em todos os momentos. Regras simples de convivência que quase sempre vemos ser ignoradas por aqui, lá são tão naturais que parecem fazer parte do corpo das pessoas, orgânicas, como respirar. Ações como não jogar lixo no chão, esperar sair para depois entrar, falar baixo, não falar no celular em locais públicos, deixar a direita livre para quem está com pressa (sim, lá é ao contrário), cumprir horários, cumprimentar de forma amigável, agradecer a presença, estar atento e oferecer ajuda é algo que praticamente todos os japoneses entendem como regras obrigatórias de convivência e cumprem sem o menor esforço.  Assim como cuidar da limpeza das ruas. E olha que tem pouquíssimas lixeiras nas ruas. As pessoas ou descartam em lixeiras especiais localizadas em lojas ou no metrô, ou carregam o lixo para casa e descartam lá. É inimaginável você jogar lixo na rua, afinal, a rua não é sua e sim de todos. E você é tão responsável por sua limpeza como qualquer um. E todos fazem a sua parte.

Bom, viver 2 semanas num mundo tão civilizado nos faz perceber como tudo poderia ser melhor. E o triste é saber que, para isto, não custa quase nada. É uma questão de educação. Só isto.  E olha que eu nem comentei sobre a segurança. Logicamente que em um país tão civilizado não existe nenhuma preocupação com segurança. Você pode andar totalmente despreocupado. Ninguém vai tentar te roubar, te enganar ou até mesmo pegar algo que você esqueceu ou deixou solto por aí. Se você estiver num shopping e deixar a bolsa em um banco e for ao banheiro, quando voltar, a bolsa estará lá. No máximo, alguém pode ter levado para a Administração do Shopping, achando que a bolsa estava perdida. Muitas pessoas em Tokyo nem trancam as casas, tamanha é a certeza de que ninguém fará nada de mal. E olha que estamos falando de uma cidade com o dobro de pessoas de São Paulo.

Fotos de lojas de Tokyo


Além deste choque cultural incrível, ainda tem uma cidade extremamente rica, bonita e interessante para descobrir. Vou listar aqui algumas dicas e passeios sobre Tokyo. Eu tive a ajuda de dois amigos queridíssimos: o Felipe Nuno que mora aqui no Brasil e visitou Tokyo algumas semanas antes e montou uma lista incrível de coisas para fazer e do Sadao, um amigo de longa data e que mora lá há 16 anos e que me proporcionou experiências únicas e super especiais. Arigatô para eles!

Um assunto à parte é o transporte. Á primeira vista, assustamos quando vemos o mapa de metrô de Tokyo. São tantas estações que parece que vamos ficar completamente perdidos. Mas é tudo extremamente organizado e fácil de entender. Primeiro porque as estações têm nome e número. Então, se você está na linha Z e na estação 4 e quer ir para a estação Z7, tem que pegar o trem onde a numeração aumenta. Tem toda uma lógica que depois de um ou dois dias você fica totalmente familiarizado. O metrô tem algumas características específicas que chamam muito a atenção: o horário que aparece é sempre cumprido à risca, existem espelhos em diversas estações para você se ver e arrumar o look, é considerado feio comer nas ruas e no metrô, com exceção apenas a bebidas que são vendidas em maquininhas viciantes em praticamente todos os lugares da cidade e, logicamente, dentro das estações. Outra coisa interessante é que os vagões do trem são sempre numerados. Depois de pensar muito sobre o motivo deles numerarem os vagões, entendi que existe uma placa em todas as estações mostrando em qual vagão você deve ficar para descer mais próximo à conexão com a outra linha do metrô. Civilizado, não?! Civilizado mesmo é ver que, mesmo com a estação lotada de pessoas, todos esperam as pessoas saírem para entrar no metrô, não importando se vai dar tempo ou não de entrar no trem. Se não der, esperam o próximo, sem nenhum problema. Um detalhe fofo: para avisar que as portas vão fechar, ao invés de barulho chatos, tocam uma musiquinha. Achei cute!

Mapa de metrô de Tokyo. Sim, cada pontinho é uma estação!


Bom, falando um pouquinho da cidade: um dos lugares que achei mais legal de conhecer foi o Mori Museum, um museu de arte contemporânea que está em Roppongi, um bairro hiper moderno com prédios de mais de 40 andares. O próprio museu fica no 52º andar e pagando um pouquinho a mais você pode ir ao 54º andar e tirar fotos incríveis da cidade. Lá é bem pertinho da Tokyo Tower, uma versão vermelha da Torre Eiffel. Elegantérrima! Lá eu vi uma exposição de arte contemporânea árabe e fiquei impressionado com as obras. Muito legal. E a loja do museu é apaixonante. Você quer praticamente tudo. Mas não consegue comprar praticamente nada..rs.. Mas sai feliz mesmo assim.. (lá é meio que sempre assim). É legal ir à noite para andar em Roppongi mas é melhor ir de dia no museu para tirar as fotos. O ideal é ir no final da tarde e fazer as duas coisas ao mesmo tempo. A entrada é meio cara mas vale a pena: 2000 yen para ver tudo (cerca de R$ 55).

Uma das obras expostas no Mori Museum


O Tokyo Sky Tree é o monumento mais alto de Tokyo. Lá é possível ver a cidade de 350 metros de altura. E de mais de 400 se você for até o segundo miradouro. Como é novidade, o lugar é super procurado e está sempre cheio. Mas como estamos no Japão e lá é tudo muito organizado e civilizado: assim que você chega recebe um papel com o horário no qual você deve voltar para, depois de 30 minutos, subir na torre. O local tem um shopping com diversas opções de alimentação. É fácil achar o que fazer enquanto espera. O passeio vale a pena pela experiência. Pelas fotos nem tanto, pois é tão alto que parece que estamos tirando foto de dentro de um avião. Este passeio custa também uns 2000 yen.

O Tokyo Sky Tree e uma foto da vista lá de cima (detalhe: a câmera está no máximo do zoom).

No Ueno você encontra o Museu de Tokyo, o parque Ueno e o Zoológico. É um passeio bem legal .. mas comprido. Você fica um dia inteiro vendo tudo o que tem por lá. Parece bobo mas é legal visitar o zoológico. Isto porque eles têm bichos diferentes como urso polar, leão marinho e os pandas fofinhos e dorminhocos. O Museu é muito tradicional e o prédio é mais interessante que o que está exposto lá. O bom destas atrações é que são todas baratinhas, entre 400 e 600 yen.

Fotos de Ueno, parque, museu, templo e zoológico em um único lugar.


Tokyo tem diversos templos.Todos são lindos e cada um tem detalhes únicos. Mas não dá para entrar em todos. São centenas. O templo mais legal que eu conheci não foi em Tokyo mas em Kamakura, uma cidade que fica a uns 45 minutos de trem. Vale muito a pena conhecer o templo Hesa Dera e o buda de 9 metros de altura. As duas atrações são bem próximas uma da outra e ambas são próximas do trem. É encantador ver as diversas nuances nos templos e a atmosfera tranquila de uma cidade pequena como Kamakura. Fofo, fofo! Um dos passeios que eu mais gostei.

Fotos do buda e do templo Hesa Dera em Kamakura


Um passeio simples e bobinho mas que gostei bastante foi ir à Honda e ver o robô deles em ação. Eles fazem apresentações ao público duas vezes por dia. É legal ver o que há mais de moderno em robótica ao vivo. Pode parecer sem graça mas quando você vê com os seus próprios olhos um robô à la Jacksons funcionando perfeitamente, você fica impressionado.

Eu e o robô Asimo


Harajuku é um bairro único. Lá tem a famosa rua Takeshita Dori onde os japoneses mais modernos passeiam e chamam a atenção por suas roupas extravagantes. A moda é um assunto à parte. Não existe nada igual a Tokyo em relação a estilo. É de cair o queixo! Fiz uma matéria especial sobre o assunto para o site Guia Jeanswear. Vale a pena ler.


Os bairros de Aoyama, Ginza e Harajuku têm lojas incríveis e ficamos fascinados com tanta riqueza e variedade. Tem loja para tudo. E tudo de tudo. O luxo das lojas e o movimento de compras dos próprios japoneses impressionam muito.

Fotos do Jardim Imperial, um lugar lindo para caminhar. Fiquei hospedado em frente ao parque.


Fui ainda para Kyoto e visitei alguns templos incríveis. Mas tivemos que fazer tudo em apenas um dia e foi corrido. Uma pena pois dá para ver que a cidade tem muito a oferecer. Quem sabe na próxima vez?! Eu, com certeza, vou querer voltar.

Templos de Kyoto incrivelmente lindos! Todos considerados patrimônio da humanidade.