16 de abril de 2012

Ótima campanha online da Nespresso

Hoje de manhã fui surpreendido pela nova campanha da Nespresso. Eles conseguiram, de uma maneira muito criativa e inteligente, usar o que a internet e as redes sociais têm de melhor.

A partir dos dados do seu Facebook e de informações que você preenche no site, eles criam uma edição especial da Revista Nespresso onde você aparece na capa. E tudo foi pensado nos mínimos detalhes.

A câmera trabalha de forma a te dar a sensação de estar realmente participando da ação. Primeiro, você recebe uma ligação confirmando a sua sessão de fotos em New York. Na sua casa, fotos suas espalhadas em porta retratos.



O detalhe da passagem de primeira classe para NY com o seu nome e seu local de origem também é bem legal!

Antes de embarcar, temos que fazer as malas. Ai eles pedem para você escolher um estilo de roupa, um objeto especial e o seu Nespresso favorito.




Aí você chega no aeroporto e é recebido por uma pessoa da Nespresso para te encaminhar para a sessão de fotos. Lá você tira as fotos em um estúdio e depois escolhe a que mais gostou. A foto pode estar no Facebook ou pode tirar uma na hora pela webcam. Ou ainda fazer upload.



O resultado é a revista pronta, com conteúdo feito com algumas de suas preferências. A receita Nespresso é feita com o sabor que você escolhe de café e os itens da sua mala são colocados na matéria:



Mas o mais legal do aplicativo mesmo é a capa da revista. Fica super fofa! E, para ficar melhor ainda, o aplicativo finaliza com o George Clooney folheando a revista com carinha de inveja de você porque ele não está mais na capa. Amei!!



A Nespresso está de parabéns por fazer algo tão criativo e interessante. Pontos extras por prestar atenção a cada detalhe. E a versão em português mostra todo o cuidado da empresa com os diversos mercados em que atua.#Incrível!

Ah, Clique aqui olha a revista que eu criei e o videozinho do George Clooney com a revista:



11 de abril de 2012

Filmes imperdíveis que vi na Páscoa


Foi engraçado. Na sexta-feira santa, assisti ao Furo MTV e eles brincaram com a previsão de tempo, parodiando com uma previsão de programas que iriam passar na TV durante a Páscoa: todos os tipos de filmes de Jesus em todos os canais. E não é que era verdade?! Em todos os canais, tinha Jesus de tudo que é forma.

Eu, contudo, tive acesso a outras opções (ainda bem!) e, surpreso, revi um filme que me marcou muito e que há tempos não assistia: E.T. Fiquei muito tocado pelo filme, afinal, não tem como não se encantar com a cena onde a pequena Drew Barrymore veste E.T com peruca e vestido. Ou não ficar emocionado com o forte laço entre Elliot e ET, demonstrado pela transferência de sentimentos e sentidos entre eles na inesquecível cena em que ET bebe cerveja em casa e Elliot fica bêbado e se rebela, libertando os sapos que seriam dissecados durante a aula de Ciências.
Cena de E.T.




Os paralelos à história de Jesus são fáceis de notar em todo filme. Não só pela perseguição que ET sofreu durante o filme mas também pela resistência das pessoas em aceitar o que é diferente. Ou pelo instinto das crianças em acreditar nas boas intenções do ET que, na verdade ,só queria voltar para casa. A clássica cena das bicicletas voando ressalta o espanto em todos adultos descrentes e pode ser facilmente comparada a uma cena de milagre. As semelhanças são tantas que é fácil imaginar que a história bíblica - que tem sido contada há tantas Páscoas - tenha servido como referência para o roteiro. Só que de uma forma diferente, mais próxima aos dias atuais. Assistir a ET durante a Páscoa foi, para mim, uma forma de renovar o sentimento de esperança e amor.

Animado com esta experiência (e com tempo nos dias off do feriado) assisti a dois outros filmes no cinema: “Medianeras” e “A Música Segundo Tom Jobim”.

Cena de Medianeras

Medianeras é simplesmente incrível! O cinema argentino sempre traz ótimas opções e este é um filme muito, muito especial. O ritmo neurótico da vida urbana ganha um charme todo especial quando é compartilhado a partir do ponto de vista de pessoas oprimidas pelas construções arquitetônicas de Buenos Aires. E o tema já batido de ser sozinho no meio da multidão ganha uma repaginada muito interessante ao mostrar o cotidiano de um webdesigner que fica o dia inteiro na internet, trabalhando ou jogando videogame, e de uma vitrinista em crise pelo recente fim de um relacionamento. Nós espectadores vemos, a todo momento, que juntos seriam muito felizes mas durante todo o filme eles ficam separados, aprendendo, cada vez mais, a conviver com suas solidões. Eles só se encontram no final do filme e da forma mais fofa possível. Tocante, inteligente e divertido. Perfeito!

Já o filme de Tom Jobim é um documentário diferente: ele não tem uma frase sequer que conte a história do filme. É apenas uma sequência de gravações que diversos artistas fizeram com as músicas incríveis de Tom. E o legal é perceber que as palavras realmente são desnecessárias frente a uma obra tão rica quanto a produzida por Jobim. Ver as principais músicas cantadas por artistas de todo o mundo e todas as épocas, de Diana Krall a Judy Garland, de Elis Regina a Adriana Calcanhoto, é muito emocionante.
Cartaz do filme A Música Segundo Tom Jobim


As gravações inesquecíveis de Ella Fitzgerald e Frank Sinatra e a versão sensacional de Águas de Março por Elis e Tom reforçam a sensação de que Tom Jobim foi um dos artistas mais abençoados que já apareceu no mundo. É interessante perceber como, pouco a pouco, o filme vai mostrando a qualidade da obra do artista e como ela foi amplamente disseminada pelo mundo. E ficamos simplesmente maravilhados com o que vemos. É, com certeza, um filme para assistir mais de uma vez. Imperdível!

Quem ainda não assistiu a estes dois filmes, vale muito a pena ver. E, se possível, reveja ET para renovar também seus sentimentos mais puros.



Aqui, coloco os trailers de Medianeras e Tom Jobim:





10 de abril de 2012

Press Release? That´s so yesterday!!! Será?


Desde que a internet começou a se popularizar, os blogs têm sido o principal meio de comunicação dos consumidores com o resto do mundo. Pelos blogs, eles passaram a ter uma voz que foi amplificada com o crescimento expressivo das redes sociais nos últimos anos.

Nada disto é novidade. O que percebemos, contudo, é que não apenas as pessoas ganharam independência para expressar suas opiniões mas também as empresas passaram a usar este veículo como forma de interagir com todos os seus stakeholders. (para quem não está familiarizado com este termo - que, na verdade, nem é tão famoso assim, é só usado no mundo da Administração - stakeholders são todos os públicos que possuem algum interesse nas ações da empresa. Em geral, é formado pelos consumidores, acionistas, fornecedores, imprensa especializada e, de uma forma mais ampla, a sociedade. Mas esta última depende muito do tamanho da empresa).

Nos últimos anos, empresas de todos os portes têm investido na criação de seus próprios blogs e passaram a substituir os antigos releases para a imprensa para posts oficiais nos blogs. Isto faz com que o release de imprensa tenda a ser algo obsoleto, um instrumento que, ao que tudo indica, vai ficar no passado.

O maior exemplo disto é o Google que tem um blog super legal onde publica todas as suas novidades para o mercado. E ele também tem a versão feita pela filial brasileira. Lá eles colocam posts e vídeos sobre os seus novos produtos, como o exemplo abaixo. Ah, basta clicar nas palavras em azul para acessar os blogs, ok?!


Outras grandes empresas têm investido nisto como a Natura, a Fiat (que tem feito blogs por produtos, como o Linea) e C&A. Há empresas ainda mais moderninhas e que já nem usam mais os blogs para comunicar. Partem direto para as redes sociais. Recentemente, Mark Zuckerberg, dono do Facebook, anunciou ao mercado pela sua página pessoal no Facebook a compra do Instagram. Rapidamente a notícia foi espalhada na mídia.

Página pessoal de Mark Zuckerberg anunciando a compra do Instagram

Mas este novo cenário já está em prática? É o que deve acontecer no Brasil? Tudo indica que não. Pelo menos, não por enquanto. Perceber isto é simples: basta fazer uma busca pela internet, buscando blogs de empresas e percebemos que a maior parte das empresas ainda investe no release como principal forma de comunicar suas novidades ao mercado. É a forma mais tradicional e segura de se comunicar. E de garantir à imprensa um certo tipo de exclusividade e poder em relação à notícia.










3 de abril de 2012

Fashion Apps - um mundo de opções

Recentemente li a matéria da NY Magazine sobre os 10 melhores aplicativos para IPhone do mundo da moda e fiquei encantado. É claro que grande parte deles funciona apenas para quem mora nos EUA - e muitas vezes somente em NY - mas descobri alguns aplicativos - e sites - legais pela matéria.

Dos 10 aplicativos, eu só conhecia o do Style.com que, para quem curte moda, é indispensável. A cobertura dos desfiles deles é incrível e ver as fotos no I Pad é simplesmente demais:

Imagem do aplicativo do Style.com 


Mas pela matéria, descobri 3 aplicativos que valem a pena para qualquer pessoa que gosta de moda - ou que pelo menos gosta de roupa.

Imagem propaganda do Style Book

O Style Book é um sonho transformado em realidade. Sem exageros! Nele, você tira fotos das suas roupas e organiza o seu armário. Pode salvar os looks e montar o seu próprio lookbook (olha Licurgo, o seu problema está resolvido!). O vídeo abaixo mostra como funciona o aplicativo:


Demais, né?! Não vejo a hora de chegar em casa e começar a brincar.

Tem um outro aplicativo que é muito bom e muito legal também, o Chicfeed. Adoro estes nomes que o povo da moda inventa. Este "provedor de pessoas chiques" capta fotos dos principais sites com fotos de moda de rua e traz aleatoriamente para você. No site, você tem a opção de visualizar as fotos como no aplicativo (uma por vez) ou no formato de blog.

Imagem do site ChicFeed com opção de visualização igual ao I Phone

O conceito do aplicativo e do site é funcionar como fonte de inspiração para quem gosta de ver gente com estilo. É bem fácil de usar e vale a pena olhar de ver em quando. Ah, vale lembrar que ano passado fiz uma outra matéria para quem gosta de moda de rua aqui no meu blog sobre um site que a Uniqlo tinha lançado. Clique aqui para ver.

Outro aplicativo muito legal - e que também serve para quem pesquisa por fotos de peças que estão nas lojas - é o Shop Style. Ele tem a versão para site mas não é muito legal. É melhor ver no IPhone ou IPad mesmo. Nele, o usuário escolhe o tipo de roupa que ele deseja comprar (ou só pesquisar) e o site traz centenas de opções de diversos sites que vendem roupas pela internet. Alguns entregam no Brasil como o ASOS, a Abercrombie e Urban Outfitters, outros não. Mas é uma fonte muito legal de pesquisa e vale a pena navegar pelo site.

Site Shop Style


A GAP também lançou um aplicativo onde você pode tirar fotos de suas roupas e misturar com as da GAP. Pode, inclusive, misturar as roupas que estão no catálogo com as suas roupas, o que é bem legal. Mas, como não temos GAP por aqui, perde um pouco da graça. Mas vale a pena fazer o download e conferir.

imagens do aplicativo da GAP

Este mundo de aplicativos é realmente surpreendente. Literalmente, tem aplicativo pra tudo. Até pras coisas que realmente ajudam!

Para quem domina o inglês, vale a pena ler a matéria da NY Magazine que citei no começo do post (o link direto para a matéria está no primeiro parágrafo). Enjoy!